Can I have an apple?

“Tia, posso ter uma maçã?” Meu sobrinho Miguel falava assim, dessa forma meio engraçada, com o seu sotaque fofo de gringo. Ele nasceu nos EUA e apesar de ter contato com o português, não era totalmente fluente no nosso idioma.

A gente entende o que ele quer, obviamente, ele quer uma maçã. Mas por que sorrio,achando engraçado o jeito dele falar? Porque ninguém pede uma fruta assim em português. Na verdade, ele pensava em inglês: “Can I have an apple?” e logo traduzia esse pensamento em palavras que  aprendeu em português .

A maioria dos alunos de língua estrangeira faz isso,simplesmente usa as palavras aprendidas pra se expressar na nova língua, sem parar pra pensar em como se expressar da forma como um nativo faria.

Muitas vezes quando tento corrigir redações em inglês, tenho que “pensar em português” para entender o que o aluno quis dizer.

Existem cursos de idiomas que vendem o famoso curso rápido, prometendo milagres, mas muitos não passam de um método de memorização de palavras embalado estrategicamente para vender. É um tipo de fast food do idiomas. É chamativo, vem com brinde e sacia sua vontade imediata. Ao final, é apenas comercial, infelizmente não tem conteúdo a longo prazo, dinheiro jogado fora pra quem quer aprender com qualidade.

Acontece que aprender um novo idioma não é apenas aprender palavras novas. Você precisa aprender a pensar na nova língua, isto é, falar da forma como um nativo falaria.  Deve aprender expressões, entonação e tudo mais que envolve adquirir intimidade com o novo idioma para se tornar fluente.

Pra isso você precisa aprender mais do que palavras para formar uma frase. Precisa aprendê-las num contexto que faça sentido, pensar na língua estrangeira e não na sua língua nativa.

É necessário aprender sobre a cultura do país, entender seu povo, sua forma de falar e por aí vai. E Como se faz isso?

Essa intimidade que você vai adquirindo aos poucos, é gradativa e acumulativa. Não é do tipo “fast food”,  mas envolve um bom estudo, dedicação, esforço e disciplina.

Aliás como tudo o que a gente quer fazer bem feito não é verdade?

crianças aprendem rápido rápido rápido

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s