Troque duas palavras no seu vocabulário e mude sua forma de aprender inglês

Segundo Bernard Roth, professor de engenharia na Universidade de Stanford e diretor acadêmico da Hasso Plattner Institute of Design da Universidade de Stanford, eliminar duas frases do seu vocabulário pode torná-lo mais bem sucedido.

 

Trocar uma palavra por outra pode fazer toda diferença na forma como você alcança seus objetivos, a sua maneira de falar não só afeta a visão dos outros sobre você, mas também tem o potencial para moldar o seu comportamento.

Em seu novo livro, “The Habit Achievement”, Roth sugere vários ajustes linguísticos que podem torná-lo mais bem sucedido.

Dois deles podem muito bem serem ajustados para mudar totalmente sua forma de aprender inglês. Veja como:

 

1. Troque o “mas” por “e”: Você pode ser tentado a dizer: “Eu quero descansar e usar meu tempo livre para me divertir, mas tenho que estudar inglês.” Porém ao trocar o “mas” por “e”, pode simplesmente dizer: “Eu quero descansar, me divertir e estudar inglês”. Bernard escreve que quando você usa a palavra mas, cria um conflito (e às vezes uma razão) para si mesmo que realmente não existe, em outras palavras, é possível descansar, se divertir, aproveitando seu tempo livre e estudar inglês, você só precisa encontrar uma solução. Enquanto isso, quando você usa a palavra “e” seu cérebro começa a considerar como ele pode lidar com ambas as partes da sentença, procurando uma forma, escreve Roth. Afinal você possa organizar melhor seu tempo e procurar se divertir ao aprender inglês.

 

2. Troque “tenho que” por “quero” Roth recomenda um exercício simples: A próxima vez que você disser “eu tenho que” troque em sua mente para quero. Este exercício é muito eficaz para levar as pessoas a perceberem que o que eles fazem em suas vidas – até mesmo as coisas, que não consideram agradáveis – são, na verdade o que eles escolheram, diz ele.

Por exemplo, um dos alunos de Roth sentiu que tinha de fazer matérias de matemática necessárias para seu programa de pós-graduação, mesmo odiando. Em algum momento depois de completar o exercício, ele percebeu que ele realmente queria assistir as aulas porque o benefício de completar o requisito superava o desconforto de frequentar as aulas que ele não gostava. Ambos os ajustes são baseados em um componente chave de uma estratégia de resolução de problemas chamada “Design do pensamento.”

 

Quando você emprega esta estratégia, você desafia o seu pensamento automático e vê as coisas como elas realmente são. E quando você experimenta uma linguagem diferente, você percebe que o problema não é tão insolúvel quanto parece, e que você tem mais controle sobre sua vida do que acreditava anteriormente.

 

Então pare de dizer para si mesmo: Eu tenho que aprender inglês, pensando no aprendizado como uma obrigação chata e tediosa e comece a pensar no retorno que terá, refletindo sobre a sua real necessidade, comece a dizer por que quer aprender inglês.