Como Educar crianças para o sucesso?A ciência ensina 7 passos

Quer criar fkids-successilhos bem-sucedidos?  Não é o que você tenta uma vez, ou que atitudes você espera. É o que você realmente faz, todos os dias.

Escritores na Tech Insider, Rachel Gillett e Drake Baer têm juntos um grande compêndio de aconselhamento baseados em pesquisa. Seu artigo vale a pena ler.

O que os pais devem fazer todos os dias para seus filhos – independentemente da riqueza, status, ou personalidade.A ciência diz que deve fazer essas 7 coisas todos os dias:

  1. Faça os seus filhos realizar  tarefas.

Tirar o lixo, alimentar o cachorro, lavar os pratos – não são apenas maneiras de tornar sua vida mais fácil, eles são maneiras de tornar a vida dos seus filhos melhor, também.

“Ao fazê-los fazer as tarefas , eles percebem que têm que fazer atividades da vida cotidiama, a fim de fazer parte da vida”, Julie Lythcott-Haims, ex-reitora da Universidade de Stanford e autora de “Como criar um adulto” , disse à tecnologia Insider.

Seja um pai com autoridade, em vez de autoritário ou um permissivo. Os pais devem criar um mundo em que o seu filho “cresce com um respeito pela autoridade, mas não se sente estrangulado por ela.”

  1. Ensine-lhes habilidades sociais.

Você já trabalhou com pessoas socialmente desajeitadas? Então não será nenhuma surpresa para você saber que um estudo de 20 anos das universidades Penn State e Duke descobriram que as crianças com boas habilidades sociais se tornaram mais bem sucedidas.

“Crianças socialmente competentes, capazes de cooperar com seus pares voluntariamente, ser útil para outras pessoas, entender seus sentimentos, e resolver problemas por conta própria, são muito mais propensas a conseguir um diploma universitário e ter um emprego em tempo integral aos 25 anos do que aqueles com habilidades sociais limitadas, “Gillett e Baer escrevem.

  1. Ensine e tenha grandes expectativas educacionais.

Estamos combinando duas práticas aqui, mas elas estão relacionadas. Em primeiro lugar, um estudo da Universidade de Michigan, descobre que se você quer que seus filhos vão para a faculdade, deve apresentar-se como um bom modelo, certificando-se de terminar a sua educação em primeiro lugar. Enquanto isso, deixe claro que você espera que eles vão para a faculdade também.

“Os pais que visualizam faculdade no futuro do seu filho, direcionam seu filho para esse objetivo, independentemente dos seus rendimentos e outros bens”, diz o professor de UCLA Neal Halfon, que estudou dados de 6.600 crianças nascidas em 2001.

  1. Ensine-os a desenvolver bons relacionamentos.

Todos nós já ouvimos dos pais cujos casamentos estavam falhando, mas que decidiram ficar juntos para o bem das crianças. Isso pode ser admirável, mas é mais importante que eles tenham bom relacionamento com cada um dos pais e com os irmãos (se tiver algum).

Em primeiro lugar, um estudo da Universidade de Illinois mostrou que é mais importante que as crianças cresçam em um lar sem conflitos entre os seus pares e com seus pais do que seus pais ficarem juntos. E em segundo lugar, um estudo de crianças nascidas na pobreza informou que “as crianças que receberam ‘cuidado sensíveis” em seus primeiros três anos “da vida foram melhores na escola, e depois tiveram relacionamentos mais saudáveis e maior realização acadêmica em seus 30 anos “, Gillett e Baer escrevem.

5.Incentive seu filho a aprender uma segunda língua

Existem evidências de que cérebros bilíngues são melhores ao executar tarefas onde informações conflitantes precisam ser processadas.  Aprender um segundo idioma desde cedo vai exercitar o cérebro.

Isso acontece porque o cérebro se acostuma a suprimir a linguagem  que não está sendo usada em determinado momento, e adquire habilidade de inibir informações inúteis e promover coisas importantes. Existem muitos benefícios para isso.

Um estudo descobriu que os bilíngues são capazes de filtrar o ruido de um ambiente. Falar duas línguas significa sentir -se menos sobrecarregado ao tentar por ordem num movimentado restaurante e o torna mais capaz de conversar com alguém em um metrô lotado por exemplo.

“Biliguismo é uma experiência , diz Bialystock e assim como qualquer outro exercício faz ligações no cérebro, formando novos neurônios e novas conexões.

  1. Ensine-o a tentar e não se preocupar com as  falhas.

Você provavelmente já leu sobre a ideia de adotar uma mentalidade de crescimento versus uma mentalidade fixa ou escassez. Versão curta: Para seus filhos, você quer uma mentalidade de crescimento. Você quer que eles vejam o fracasso como algo que acontece com todos nós, como uma oportunidade para aprender e crescer – e não como um fim. Em outras palavras, não se preocupe em demasia com as falhas.

  1. Mostre-lhes ética de trabalho e realização.

Se você quer que seus filhos se comportem de uma certa maneira, a forma mais provável para que isso aconteça é modelar o bom comportamento. (A segunda maneira mais eficaz poderia ser a de modelar o comportamento muito ruim e deixá-los aprender com seus erros. Mas eu vou sugerir a primeira ideia.)

Além disso, um estudo da Harvard Business School mostra que as crianças que crescem com mães que trabalham têm vantagens sobre aqueles que não o fazem. Como Gillett e Baer escrevem: “O estudo descobriu que filhas de mães que trabalham fora eram mais propensas a ter um emprego em um papel de supervisão, e ganham mais dinheiro – 23 por cento mais em comparação com os seus pares que foram criadas por mães que ficaram em casa. ”

Não existe tal coisa como uma lista completa.

Gillett e Baer têm algumas outras recomendações baseadas em pesquisas, também. Eu tenho problema com dois deles, por diferentes razões.

Em primeiro lugar, eles citam a constatação de que as crianças com melhor nível socioeconômico tendem a se saírem melhor do que aqueles sem. Claro que faz sentido, mas não é realmente algo que você pode simplesmente decidir e que você vai mudar em uma noite.

Em segundo lugar, como praticamente todos os outros artigos na moda sobre este assunto, eles recomendam o ensino do “grit”, definido como a “tendência para sustentar o interesse e esforço a fim de alcançar metas de longo prazo.” Apesar de virtuoso, eu acho que nós vamos descobrir que a nossa forma de ensinar “grit” omite algo sério: a capacidade de manter a motivação, ao mesmo tempo, reavaliando continuamente seus objetivos.

“Nós somos o que fazemos repetidamente”, disse Aristóteles. “Excelência, então, não é um ato, mas um hábito.” É verdade, se nós estamos falando sobre nós mesmos ou nossos filhos.

Tradução de Renata Madureira -Blog:renatamadureira.com

Texto original de  Bill MURPHY JR (editor executivo, TheMid.com, e fundador, ProGhostwriters.com@BillMurphyJr)